[Meme] Complete as frases



Originalmente, fiquei sabendo dessa tag através da maravilhosa, diva, linda (ok, vou parar com a rasgação de seda, prometo) FERNANDA PROBST. Foi assim que conheci o #BEDA (Blog Every Day August), que coloriu meu agosto de 2015 enquanto eu passeava pelos blogs por aí. Mas, temos um pequeno problema... Não é agosto! E daí? Vai ter lista sim, vai ter gif, vai ter muita risada também.

Uma das ideias (fantásticas) desse projeto foi a de completar as frases abaixo, pra vocês conhecerem um pouco mais sobre os autores que acompanham e é mais uma forma de arrancar sorrisos dos queridos leitores. Gostei tanto que decidi - de intrometida mesmo - responder também. A Fê aprovou, agora espero que vocês gostem.

As regras são claras: Completar todas as frases | Repassar para 10 blogs e avisá-los | Marcar na postagem quem te marcou | Comentar com o link de suas respostas.

 SOU MUITO
 curiosa, indecisa e alta. Não dá pra me definir sem citar alguma dessas palavras. Cansei de ouvir “Nossa, você deveria jogar basquete”, “Não sabe esperar? Eu disse que mais tarde a gente conversa” e “Dá pra você decidir logo?”. Gente, eu não tenho culpa se mamãe me deu fermento, se vocês me falam as coisas pela metade e não querem que eu entre em parafusos imaginando mil possibilidades e, principalmente, se não entendem que decidir não está na lista das coisas que faço com rapidez. Sempre vou achar que a opção que eu não escolhi teria sido melhor. Lidem com isso. (rs)






 NÃO SUPORTO  preconceito e injustiça. Abro a boca sim, todas as vezes que  presencio algum ato desse tipo. Simplesmente não sei ficar calada diante de um energúmeno que ofende gratuitamente. Reclamo, denuncio, tomo as dores dos ofendidos e injustiçados desde que me entendo por gente. Isso me rendeu um quê de veneno que dá uma apimentada no que escrevo.





 SE PUDESSE VOLTAR NO TEMPO  eu voltaria ao dia em que caminhei pela areia da praia uma manhã inteira, de mãos dadas com meu bisavô e aprendi mais sobre a vida nesse dia do que em muitos anos que vivi. Enquanto eu chutava a areia, irritada, brava e chorando por ter que ser arrastada (esse drama infantil nunca saiu de mim) para São Paulo, ele me explicava o quanto isso iria mudar minha vida, meu modo de ver as coisas, pessoas e meu crescimento profissional, anos antes de eu saber o que era isso. E eu só tinha 10 anos. Foi a última vez que o vi caminhar.






 NESSE EXATO MOMENTO  eu estou com sono. Não é aquele soninho pós-almoço não. É sono mesmo. E, claro, rezando pro tempo voar. Depois de um final de semana agitado, nada como rezar pra segunda feira acabar. Mais clichê que isso é impossível.






 ADORO  aprender a fazer coisas. Comida, escultura, pintura, mexer em sistema... Qualquer coisa, tenha ela a ver com arte ou não. Por falar nisso, será que fazer bolo seguindo receita é arte? Pra quem só sabia fazer arroz, miojo e lanche antes de dividir a casa e a vida com outro alguém, descobri que é sim. Tô arrasando no arroz, feijão e nuggets! kkkkk (Quem come diz que gosta, tô confiando nisso). 





 NÃO GOSTO  de gente que pensa que sabe tudo, que já conhece tudo. “Ah, eu já sabia”, “Ah, chegou pra mim muito antes, você nunca tinha visto?”. Cara, sabe de tudo? Se fecha numa bolha aí e não enche meu saco, que eu ainda tenho muito pra aprender, obrigada. Não, paciência não está na minha lista de virtudes.



 QUERO MUITO VIAJAR PRA  algum lugar. Lembra da indecisão? Pois é. Como vou escolher um lugar só? França, Grécia, Itália (comida e sorvete), Croácia, Holanda, Argentina… São tantos destinos desejados. Salvador, Amazonas (quero repetir a dose, conto em outro post), Rio Grande do Norte... Desisto! Quero viajar para onde meu dinheiro puder pagar. Vou ali no bairro ao lado e já volto, galera!




 EU PRECISO  de dinheiro (quem não precisa?) e de tempo. Tem como? Não? Ok, eu supero. Mas bem que o dia podia ter 50 horas e que eu continuasse com a mesma carga horária no trabalho, né? Assim teria tempo suficiente pra cumprir as mil tarefas diárias e ainda brincar de despejar meus rabiscos no papel, sem precisas correr pra terminar por que o feijão no fogo (mais uma coisa que só aprendi quando juntei as escovas).




 EU NUNCA  fiz uma tatuagem. Sério, gente. Infelizmente isso ainda não aconteceu e eu fico enrolando e mudando o prazo pra “mês que vem”, “Ah, ano que vem eu faço”, mas esse dia nunca chega e eu fico sonhando com todos os desenhos que já escolhi, todos espalhados pelo meu corpo. Coragem (dinheiro) que é bom, nada. Um dia... Talvez ano que vem! (rs) 




 EU MORRO DE MEDO  de um zilhão de coisas. Palhaços, tubarões e cobras estão no topo da lista. De resto, é bem difícil algo me causar medo. Aprendi que o que tem que acontecer, vai acontecer. Não preciso facilitar, mas não posso evitar tudo. Se eu tiver que ir numa festa e dar de cara com um palhaço eu vou saber me conter, prometo. Já matei algumas cobras (privilégio de quem viveu perto do mato na infância) e nunca chego perto de tubarões (nem por dinheiro, meu bem). Então, acho que eu sobrevivo.




 EU JÁ BRIGUEI  com um cachorro por não sair debaixo da minha cama quando eu estava na TPM Kkkkk. Me desculpem, mas foi a primeira coisa que me veio na cabeça ao ler a frase. Briguei mesmo, xinguei, bati o pé pro cachorro da vizinha que invadiu minha casa aproveitando minha entrada, depois de um dia exaustivo de trabalho e eu me vi sentada no chão, chorando e falando “Por que raios você não me obedece?” até que ele, ao me ver chorando, se arrastou, deitou a cabeça nas minhas pernas e fez carinho em mim com uma das patas. Resumindo, descobri nesse dia que cachorros entendem TPM melhor que os homens.




 QUANDO CRIANÇA  eu… Tá, eu jurei que não iria sair contando essa história por aí pra não julgarem meus pais, sem muita informação, mas eu abro o jogo. Quando criança, fui deixada em casa sozinha por poucas horas. Isso era bem comum alguns anos atrás e eu morava num bairro tranquilo (foco, Giselle)… Enfim. Eis que eu vi uma garrafa, onde li “Menta” e pensei “Ah, deve ser suco, vou experimentar”. Meia garrafa depois, eu descobri que o “suco” era mais gostoso do que parecia. Foi assim que, aos 8 anos, tomei meu primeiro porre de licor de menta. NADA paga assistir meu pai sentado no chão chorando de rir e minha mãe se segurando pra não gargalhar ao me ver largada no sofá dizendo “Tem mais?”, depois que ela constatou que eu, apesar de bêbada, não apresentava nenhum problema de saúde (e desde então eu não sei o que é beber pouco). :)




 EU SEMPRE GOSTEI  de música. De todos os tipos, estilos, épocas. Não importa onde, com quem, fazendo o quê. Se respiro, tô pensando em alguma música, acredite. Tô cozinhando? Tem que ter música. Tô escrevendo? tem que ter música. Tô caminhando? tem que ter música. Tô escrevendo esse post? Tá rolando música (The Cover Mates - Suíte 14). Acabou a bateria do telefone? Não tem como colocar pra tocar? Eu canto. O que importa é que cada milésimo de segundo da minha vida é embalado por uma playlist diferente. Entendem o grau de confusão quando me perguntam qual a minha música ou artista predileto? I-m-p-o-s-s-í-v-e-l escolher um(a).




 SE EU PUDESSE  eu faria mil coisas. Quem disse que preciso decidir uma só? Eu faria aulas de todos os instrumentos que eu gosto, eu conheceria todos os escritores e compositor que eu admiro, eu viajaria o mundo inteiro, eu faria umas mil tatuagens (sim, eu queria ser um gibi), eu escreveria um texto por hora, um livro por dia. Eu fotografaria todas as crianças do mundo fazendo criancices fofas. Se eu pudesse, eu seria eternamente jovem pra poder fazer tudo isso sem medo do relógio que corre contra mim.




 FICO FELIZ QUANDO  ganho / compro chocolates. Como não amar receber essa criação dos deuses como presente? Como não enfartar ao passar pelo corredor de chocolates no supermecado? (deveriam mudar o nome da placa de identificação para "Paraíso") Sem contar aquele momento d-i-v-i-n-o, aquele instante em que a gente abre a embalagem da barra novinha e sobe aquele cheiro m-a-r-a-v-i-l-h-o-s-o e dá vontade de devorar tudo de uma vez. Se for chocolate com avelã então, eu morro, bato as botas, passo dessa pra melhor. É. Chocolate é sinônimo de felicidade, portanto, aceito entregas de infinitas barras na minha humilde residência, grata!




Gostou? Vai lá, faz a sua lista também e me manda o link! ;)

3 comentários :

Postar um comentário

E aí, o que achou? :)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...